BEM VINDO AO MANIA COLORIDA

2 de janeiro de 2009

Primeira parada!

Um livro para se ler em 2009! Em meio a tanta oferta, o que afinal poderia trazer o prazer da leitura? Lembro-me então de quanto ainda na infància me frustava ao verificar letras e mais letras, sem significado algum, a não ser de pequenos desenhos no papel. Códigos indecifráveis. Detentores de grandes mistérios... o que poderia haver por detrás daqueles sinais????? Tentava associar às figuras ilustrativas. Será que elas poderiam desvendar o enigma das letras e me revelar afinal a história "escondida" ali? Recordo ainda das inúmeras vezes em que me "enfiei" na cama de meus pais:
"-UMA HISTÓRIA POR FAVOR?"
Via meu pai sempre com um livro de cabeceira. Mas o que tanto ele tinha para ler? Uma luminária de cabeceira... três ou quatro volumes sempre dispostos sobre o criado mudo. Capa dura, escura e textos infindáveis... "sem nenhuma figurinha para olhar? Que coisa mais sem graça isso!" Pensava eu, do alto de meus 5 ou 6 anos. Em casa tínhamos uma biblioteca na sala de cerca de 1.000 volumes entre enciclopédias, léxicos, dicionários, romances, contos de fadas, científicos, artísticos, de arquitetura, bricolaje, marcenaria, costura, saúde e muitos outros. Uma de minhas diversões favoritas era de mergulhar na imagens dos livros QUE TINHAM IMAGENS é claro! Como posso me esquecer dos ATLAS. Ficava procurando onde estava. E que mistério era essa coisa de ESPAÇO SIDERAL e SISTEMA SOLAR!!! Então sempre separava algum para a noite quando fosse deitar. Pedia para que alguém lesse para mim o que não podia ainda desvendar. Não entendia quando meu pai dizia: "-Se você ler tudo o que está aqui, saberá tudo sobre o mundo e o universo." Tenho saudades do tempo em que ainda ouvia histórias dos contos de fadas vagando pelo mundo dos irmãos Grimm, Christian Andersen, das hilárias histórias de "Franz und Moritz", Moby Dick e sem falar nos personagens Disney. Imaginava histórias tenebrosas sobre o fundo do mar quando via as fotos do naufrágio de um grande navio chamado "Andrea Doria". Ah, tinha o livro do Titanic também, mas este não tinha graça para mim. Ele não tinha fotos!!!
Bem mais tarde, nas férias de verão devorei a coleção completa sobre Sherlock Holmes, escrita por Sir Arthur Conan Doyle. Nossa que aventura! Foi meu recorde. Li todos os volumes em menos de um mês. As maiores lembranças do definitivo mergulho no universo cultural, das maiores aventuras, dos vôos mais altos, do início de todos os sonhos, temores, projetos, conhecimento e sabedoria. Os primeiros passos com a arte, com a música, com o canto e com toda a preciação que se segue depois. O contato com as maiores histórias do mundo, dos chefes de estado, dos povos, das diferentes culturas, das diferentes línguas e expressões se deram em minha casa! Se aprendermos a aprender, o que nos faltará? Quem poderá impedir que conheçamos os mistérios do vasto mundo? Quem nos impedirá de abrirmos um livro e ler? E nestas reflexões todas penso que não é o mestre que tenho, não é a escola que freqüento, não é o fato de poder mais ou menos, mas é a minha vontade de aprender que me fará diferente e me fará conhecedora.
Hoje encontro-me na posição de meus pais. Todas as noites tiro da "cartola" boas histórias. Sejam elas inventadas na hora ou lidas de livros, não importa, importa é que elas têm o poder de levar ao mundo da fantasia e dos sonhos. Mundo sem o qual nenhum sujeito se torna sujeito e autor de sua história.
Percebo que a razão de eu gostar tanto de descobrir, ler, pesquisar e "vasculhar" até satisfazer a sede de conhecimento vem de uma época em que mal sabia escrever meu próprio nome.
O mais impressionante de tudo é perceber que hoje, toda a culpa de vivermos num país de "não leitores" recai sem escrúpulos sobre a escola... - bem... esta é uma outra discussão que merece um capítulo próprio, dada sua seriedade e relevância.


"-Mãe, uma história por favor!!!"





Eu já vi isso antes...


A história se repete e os hábitos também!


Por isso, não posso deixar de dar o meu recado.


PAIS,


leiam para seus filhos, mesmo se estiverem cansados do trabalho ou enjoados de repetir a mesma história pela milésima vez.

Permitam que seus filhos vasculhem os livros, comprem livros para eles no lugar de jogos de video games. Além do que é mais barato.

Aprendam a gostar de ler. Não pensem que seus filhos não observam e não percebem o que fazem ou deixam de fazer. Seu hábito poderá tornar-se o hábito deles.


FILHOS,


Perturbem, peçam, perguntem, insistam para que possam ouvir histórias, ver e ler livros e ganhá-los de presente. Se não for possível ganhar ou comprar, tudo bem. Existem as bibliotecas! Leiam para seus pais, leiam para si mesmos! Implorem.

O conhecimento é o único bem que é seu para sempre e não pode ser tirado ou roubado.


MESTRES,


Não importa se você é professor de Matemática, Física, História, Língua Portuguesa, Ciências... Você é antes disso, um educador. Você tem a responsabilidade e o dever de plantar esta semente.

A leitura está acima do conhecimento compartimentado. A leitura é a leitura. Toda a leitura traz informação. Toda a informação pode ser conhecimento. Ajude seu aluno a selecionar, criticar, absorver e apreciar a leitura.

Ajude seu aluno a gostar da leitura, a buscar por si seu conhecimento.

Dê asas a ele. Mostre as ferramentas, mas deixe que ele descubra a essência!

Não ADORMEÇA no ideal de preparar para o vestibular, testes, provas e concursos como se pudesse racionalizar tudo!

Não perca o trem desta viagem e dê as chaves para a VIDA!!!!



"-EI, UM LIVRO POR FAVOR!!!"



Pare por um instante e pense nisso...

Nenhum comentário: