BEM VINDO AO MANIA COLORIDA

25 de fevereiro de 2010

AO SOM DO OBOÉ

Nesta última segunda-feira, assistíamos mais uma vez, o filme "Cruzada" com direção de Ridley Scott e chamou-me a atenção o ator Jeremy Irons.
Na verdade fiz um link com outro filme que vi pela primeira vez há muito tempo. Para ser precisa em 1989, numa aula de história no colégio.
O filme "A MISSÃO" , de 1986, sob a direção de Roland Joffe e tendo em seu elenco Robert de Niro, Jeremy Irons e Lian Neeson retrata um importante período de nossa história e promove um resgate cultural fabuloso.
Retrata a guerra estabelecida por portugueses e espanhóis contra jesuítas idealistas que catequisavem os índios nos Sete Povos das Missões, na América do Sul no século VIII. De Niro faz um violento mercador de escravos indígenas, que arrependido pelo assassinato de seu irmão, realiza uma auto-penitência e acaba se convertendo em missionário jesuíta. Ele ajuda o líder dos catequisadores, Gabriel (Jeremy Irons) a criar um novo mundo em Sete Povos das Missões, mas os portugueses e espanhóis tem outros planos para aquele lugar. Quando Gabriel se recusa a deixar o que construiu, o exército é mandado para tirá-los de lá à força. Um filme empolgante de certo modo, vencedor da Palma de Ouro em Cannes e que se notabiliza também pela trilha sonora de Ennio Morricone.

DAÍ O TÍTULO DO POST COMO, AO SOM DO OBOÉ:

A trilha sonora deste filme é especialmente tocante. Destaco abaixo um trecho que mostra Gabriel (Jeremy Irons, ainda bem jovem - então a comparação com o filme "Cruzada") embrenhando-se pela mata e tocando o seu oboé, como tentativa de um contato amistoso com os nativos.
Um som das alturas...

Ouça e deixe a melodia penetrar em seus pensamentos e coração. Assista ao vídeo e depois feche seus olhos!!!
Vale a pena!

Assista:





Para onde caminhamos, senão pelo caminho traçado há tempos pela civilização, repetindo as mesmas coisas, repetindo os mesmos gestos, repetindo os mesmos erros da história.

Impossível não se emocionar diante das cenas e da música, um convite ao êxtase dos sentidos.
Boa audição

Dagui!

Um comentário:

Dagmar Amsberg disse...

Esta é uma das minhas músicas preferidas. Uma das melodias mais lindas que já ouvi. A música tem uma linguagem única, expressiva e universal. Ela toca a todos da mesma forma em todas as partes do mundo. Por isso defendo que os sentidos ainda são os melhores receptores do ser humano, pois captam o que é universal, o que é além das palavras, da escrita, da língua e da ciência. É sublime e transcende culturas, crenças ou quaisquer outros parâmetros que possamos definir. Basta dispor-se a receber, o resto ela faz.