BEM VINDO AO MANIA COLORIDA

14 de abril de 2013

MUITO MAIS DO QUE PUNIR, OU NÃO PUNIR...

... ESTA É UMA QUESTÃO DE RAÍZES SOCIAIS PROFUNDAS. POR ISSO, NÃO SE RESUME EM IMEDIATISMOS!



Do site Projeto Legal, na íntegra.
Por que a sociedade civil deve dizer NÃO a PEC 33 que tem a com pretensão de reduzir a idade penal do adolescente de 18 anos para 16 anos:
1 – A Convenção dos Direitos da Criança e do Adolescente (Brasil é signatário) afirma que a criança e o adolescente são prioridade absoluta.
2 – O estado brasileiro descumpre o estatuto da criança e do adolescente há 21 anos, pois não garante o acesso pleno à saúde, educação, cultura e lazer.
3 – Não se pode submeter o adolescente/jovem a uma situação pior em decorrência do descumprimento da Lei e omissão do Estado.
4 – O prolongamento do prazo de encarceramento desses adolescentes e jovens não representa solução à problemática do ato infracional, haja vista as altas taxas de reincidência no cometimento de ato infracional que denunciam o não funcionamento do projeto de socioeducação a partir da restrição da liberdade.  
5 – As unidades de cumprimento de medida de internação não garantem tratamento digno e reproduzem a lógica do sistema prisional.
6 – O encarceramento dos jovens vai na contramão do que afirma o estatuto da criança e do adolescente e a Lei do Sinase quanto ao direito à Convivência Familiar e Comunitária, fundamentais à constituição subjetiva e dinâmica social dos jovens e, portanto, ao seu processo socioeducativo.
7 – A ONU exprimiu preocupação com o Brasil em recente relatório sobre a visita ao Brasil do Subcomitê de Prevenção da Tortura e outros Tratamentos ou Penas Cruéis, Desumanos ou Degradantes no que concerne à privação de liberdade de adolescentes em instituições destinadas para este fim, pois o Brasil reitera o descumprimento das recomendações internacionais, evidenciando a existência de práticas em total desacordo com as tratativas nacionais e internacionais, que afirmam desde a brevidade e excepcionalidade da aplicação da restrição de liberdade até a impossibilidade de submeter o adolescente em conflito com a lei a condições subumanas das instituições de privação de liberdade, principalmente por sua peculiar condição de pessoa em desenvolvimento.
8 – O estatuto da criança e do Adolescente afirma que a medida socioeducativa deve respeitar os princípios da excepcionalidade e brevidade, logo, qualquer mudança que busque alterar a natureza da medida socioeducativa significa violação à Doutrina da Proteção Integral das Nações Unidas.
9 – A redução da idade penal constitui cláusula pétrea em nossa Constituição Federal, não sendo possível a sua modificação material, pois trata-se de direito e garantia individuais do adolescente, embora descrita topograficamente em artigo diverso do 5º CRFB/88." 







Só para refletir, ainda vivemos em uma cultura em que o jovem socialmente favorecido comete erros e o socialmente desfavorecido comete crimes.
Um excelente domingo a todos!
Dagmar

7 de abril de 2013

NO RETRÔ[VISOR] DO TEMPO



É...
"o tempo passa, o tempo voa..."!!! E todos continuam "numa boa"...!
Dia destes estava ouvindo notícias pelo rádio. Antenada na CBN ouvia o comentarista "deslanchar" as novas "novíssimas" "novidades" tecnológicas. Cyberespaço para cá, "nuvem" para lá, I-Pods, I-Peds, Tablets, celulares com televisores... enfim, tanta "coisa"... De repente ele disse o termo "navegar" para assistir TV, para escolher os programas e filmes favoritos e blá, blá, blá, blá, blá, blá. Uma tecnologia já existente em muitos dos novos aparelhos de TV, mas uma cultura ainda inexplorada pelas pessoas no cotidiano. Certo, mas o que chamou a atenção, foi justamente o termo "navegar". Claro, todos sabemos o que é navegar na internet, mas agora navegamos também na televisão? 
O mais surpreendente é que não precisamos retornar muito no tempo, quem sabe dez anos, eu acho. Bem, há dez anos atrás - eu acho - se alguém te fizesse a seguinte pergunta: "Você navega"? O que pensaria?
E se alguém falasse a você sobre a tal "nuvem" há dez anos atrás?



É... "o tempo passa, o tempo voa..." e algumas coisas ficaram de fato para trás. Tudo mudou tão depressa, tudo evoluiu muito rápido. Quem se lembra da máquina de escrever? Quem chegou a fazer o curso de datilografia, onde nos testes não era permitido olhar para as teclas? Quem já trocou a fita da máquina e "borrou" as mãos naquela tinta? Quem já ouviu falar na troca de uma válvula para fazer a TV funcionar novamente? Não, isso não é da idade da pedra, isso é bem recente!
O telefone que fazia trimmm, trimmmm? Não se digitava os números e sim, "discava-se" para o número desejado. 
Modelos arrojados para a época, cores fortes e muita praticidade. Isso mesmo, as facilidades para o lar, por meio de eletrodomésticos ultra-modernos como liquidificadores, cafeteiras, fornos, torradeiras, enceradeiras... quanta novidade. E hoje?
Bom. Uma coisa era certa: os produtos não eram tão descartáveis quanto os de hoje. Não estragavam assim, tão facilmente e quando isso acontecia, sempre era consertado. Levava-se cerca de 10 anos ou mais, para trocar uma máquina de lavar roupas, ou uma geladeira, ferro de passar. Pensando pelo lado da sustentabilidade, era melhor não? Hoje tudo que estraga é imediatamente jogado no "lixo" e reposto por um modelo novo, chique e visualmente atraente. Desperdício? Talvez. Mas que estamos na era da utilidades e inutilidades, ah... isso estamos!  Foi-se o tempo em que se pensava mil vezes antes de susbstituir um aparelho ou um móvel. Tudo existe em abundância e a oferta é grande. 
A cada dia, uma nova tecnologia surge e torna uma anterior totalmente obsoleta. Não é? Felizmente, por outro lado, a tecnologia nos trouxe muitos avanços e facilidades. O computador, a internet, a rede Wi-Fi, a Nuvem e tudo o mais que nos permite Navegar! O que faríamos sem a internet hoje em dia? Bem... já que estamos num veículo super veloz, resta olharmos pelo retrovisor para compreender a evolução tecnológica. Trouxe alguns objetos, não tão antigos assim, mas que tenho certeza de que grande parte das pessoas que nasceram na década de 1990 e 2000 não conhece!
Vamos lá então?














Um ótimo final de domingo!
Dagui

4 de abril de 2013

AS MULHERES NA HISTÓRIA DA ARTE






Um fabuloso trabalho de Arte Digital mostra 500 anos de Arte, na representação do rosto feminino.
Delicadeza, romantismo, tristeza, alegria, serenidade, fragilidade, tenacidade...

Uma verdadeira obra prima embalada pela Suito for Unac. Cello, Suite No. 1, 1. Prelude, de Johann Sebastian Bach.
É simplesmente magnífico.

Dagui